O hOMEM pASMADO

desabafos de um troglodita moderno

quarta-feira, agosto 16, 2006

Agora só em Setembro :-)

Aos digníssimos cavalheiros e mui virtuosas damas que visitam este blogue, aqui fica a informação!

Jinhos pra elas, abraços pra eles!
(ou vice-versa, conforme os gostos)

:-)

domingo, agosto 13, 2006

#00.110 Os meninos crescidos e as mulheres pequeninas

“Qual o número que o senhor veste?”
perguntou ela

“Ó Elisabete, qual o número que eu visto?”
perguntou ele

--

Ao ouvir esta, lembrei-me de que ainda existem homens que dependem das mulheres para coisas tão simples como saberem o número da roupa, onde estão os utensílios da cozinha, onde param as meias e as cuecas, o que vai ser o jantar, etc, etc.

Elas chamam-lhes crianças grandes, infantis, inúteis, preguiçosos…

Às mulheres que aturam estes comportamentos, em contrapartida, (auto)intitulam-se por uma designação bem mais pomposa:

Instinto maternal!

sábado, agosto 12, 2006

Informática horribilis – Murphy em acção!

A net marou e ainda não está a 100%. Duvido que alguma vez fique, considerando que tenho ADSL a mais de 5Km da central mais próxima!

A minha pendrive deu o pifo!

O Scanner foi para o lixo!

E na 5ª feira o PC recusava-se a trabalhar!

Aaahhhhhhhrrrrrgggggggg!

E para cúmulo, a pessoa que me costuma resolver os problemas, tá de férias!
:-(
:-(
:-(

Bem, pelo menos o pc já marcha! Ufa!

segunda-feira, agosto 07, 2006

#00.109 O amor e a sopa

O que é o amor?
O que é a sopa?
E existirá algo em comum entre os dois?

E será possível estabelecer um paralelismo entre as definições de ambos?

O que faz de uma sopa, o que é? Serão os seus ingredientes?

Mas quais?
São tantos e não existem realmente limites para os usar, no entanto todos nós, ao ver uma sopa, sabemos que o é!

Deve existir algo então, que, apesar de tudo o que seja comum ou diferente em todas as sopas faça de uma sopa aquilo que é!

Como na sopa, no amor existe um ingrediente que deve estar presente para que este exista, mas sugiro que, tal como na sopa, esse ingrediente sozinho não é suficiente para ser sopa!

Talvez seja assim com o amor.
Talvez, preocupados com os nossos umbigos, com as especificidades das nossas expectativas, das nossas experiências de vida, estejamos a “coisificar” demasiado o amor, confundindo-o com os diversos ingredientes que o compõem e esquecemos a simplicidade e a beleza do que é o amor por outra pessoa!

#00.108 O amor com direitos de propriedade

Quando se assume que o amor é aquilo que cada um quer, que cada pessoa sente o amor de forma diferente, o que se está, em último caso, a assumir?

Quando se aceita uma interpretação puramente subjectiva do amor, que riscos se correm, ao levar essa ideia ao extremo?

E será que se correm realmente alguns?

Pessoalmente, encontro várias questões que considero problemáticas nessa forma hiper-personalizada de sentir o amor:


1. Confundem-se os detalhes, com a imagem toda.
O amor é isto!
Se me amas farias aquilo e não aqueloutro!


2. Em extremo, torna praticamente impossível ser-se amado(a).
Porque diferentes pessoas têm diferentes necessidades específicas!
Levando o processo até às últimas consequências, o amor de cada pessoa torna-se tão pormenorizado, reflectindo o que a pessoa é e necessita nesse ponto da sua vida, que as relações se tornam ingratas e frustrantes, uma vez que ninguém está à altura dessas expectativas.

3. E torna-se muito difícil, saber se outra pessoa nos ama.
Nunca se poderá dizer:
Tu não me amas!
Isso não é amor!

A outra responderá:
Esta é a forma como te amo!


4. Cai-se então em algo muito simples e muito lógico:
Querer que a outra pessoa nos ame à nossa maneira!
E isso, penso eu, significa tornar a outra pessoa num instrumento para servir os nossos desígnios, as nossas necessidades!
Esse amor, deixa de ser algo de belo para se tornar num acto egoísta e manipulador!


5. Acaba-se por não saber o que é o amor.
Se cada pessoa tem a “sua” definição, a “sua” forma de sentir o amor, o que é de facto o amor?Algo? Tudo? Nada?

#00.107 O coxo, a bengala e o pedinte

As expectativas sobre terceiros estão na nossa cabeça.Se culparmos alguém por não as cumprir, culpamos pelos nossos erros!

E muitos desentendidos começam assim, porque sentimos que as expectativas que criámos não estão a ser cumpridas!

Mas que responsabilidade tem a outra pessoa nos filmes que criámos no nosso cinema?

Apesar de tudo, não é mau ter expectativas.Mau é quando essas expectativas passam por receber da outra pessoa, aquilo que temos em primeiro lugar de dar a nós próprios!

Quando colocamos nas mãos de outra pessoa o alfa e o ómega da nossa felicidade, não estaremos a ser cruéis?

domingo, agosto 06, 2006

#00.106 Sexualidade e liberdade

A independência sexual é um aspecto básico da auto-estima, no entanto as pessoas sexualmente independentes não são nem promíscuas nem infiéis.

Pelo contrário, são estas as mais fiéis, já que ser independente significa que a segurança está no interior de cada um e não no que os outros lhe podem proporcionar.

E significa que a satisfação sexual não depende de um amante hábil ou experiente, mas da capacidade de se sentir bem com o corpo e com as sensações que experimenta.

As pessoas livres são-no porque são capazes de se comprometerem sem se sentirem atadas, tal como atam podem desatar-se, por isso conseguem ser mais fiéis e proporcionam aos seus companheiros uma agradável sensação de segurança.

Isto não quer dizer que a longo prazo não queiram um compromisso ou sejam imaturos e inseguros. Alguns podem sê-lo, mas a maioria não.

Neste tópico a conduta da humanidade divide-se em três grupos: o maioritário, a que pertencem aqueles que se convencionou chamar de monógamos sucessivos (ou seja, as pessoas que estabelecem várias relações monógamas durante toda a vida); um grupo pequeno (de seis a 12 por cento) que não consegue manter-se fiel e precisa ter relações com várias pessoas ao mesmo tempo; outro pequeno grupo de monógamos absolutos, ou seja, pessoas que acasalam uma vez para toda a vida.

Segundo as estatísticas, estes grupos e percentagens mantém-se constantes tanto nos homens como nas mulheres de todas as culturas, e se, em algumas delas só os homens as manifestam é porque essas culturas negam às mulheres o direito de decidir sobre a vida sexual.

Se repararmos nas estatísticas, a independência e a liberdade estão no conhecer-se, em gostarmos de nós próprios e não enganarmos os outros.

Pilar Cristóbal, sexóloga
(título original: gosto de todos(as))

sábado, agosto 05, 2006

#00.105 Sexo, prazer e culpa

Não existe alternativa para a educação sexual:
Ou a sexualidade ou abstinência;

A única alternativa é:
Sexualidade natural e saudável ou sexualidade perversa e neurótica.
--

"A Função do orgasmo"
Wilhelm Reich
Publicações Dom Quixote, 1979
(2ª edição original publicada em 1947)

#00.104 Ponto G: o mais procurado

É um mistério antigo: há um centro no prazer feminino?
As teses são várias.

Mas, se calhar, não há uma resposta igual para todas as mulheres Ninguém sabe muito bem onde fica. Nem como é o seu aspecto.
E muitos duvidam mesmo que exista.

Várias mulheres já garantiram a sua existência, relatando pormenores da sua vida privada. Grande parte dos cientistas ainda esta céptica quanto a este tema.

Falamos do ponto G.

A zona mais procurada e mais misteriosa do corpo da mulher.
É considerado o equivalente à próstata masculina. Ao contrário do que o nome indica, não é apenas um ponto, mas sim uma região onde se encontram as "glândulas de Skene".

Diz-se que se situa na parte anterior da vagina, entre a sua abertura e o colo do Útero. Na prática, pode alcançar-se esta região de prazer ao introduzir o dedo indicador (na totalidade) na vagina, ou com o pénis, em algumas posições.

O que se sabe apenas sobre este "ponto" é que, quando estimulado, proporciona sensações de grande prazer e orgasmos bastante intensos.

--

Revista Focus, nº 174 – 12-02-2003

#00.103 Mais um estudo…

Um estudo da Masters e Johnson demonstrou que os homens e as mulheres descrevem da mesma forma a experiência subjectiva do orgasmo e classificam da mesma forma o grau de satisfação.

Também descobriram que parte da satisfação está relacionada com o prazer que acreditam que o outro sente.

#00.102 Outras geografias, outros hábitos…

1.
Até à chegada dos ingleses, os egípcios não desfloravam as noivas, antes pagavam a um servo para fazê-lo pois acreditavam que o contacto com o sangue feminino causava impotência. O costume procedia da Grécia antiga onde eram as mulheres que se desfloravam com consoladores de couro chamados obeliscos.

2.
Na nossa sociedade ocidental, a beleza feminina é conotada com a magreza e formas não demasiado “rechonchudas”. No entanto, já houve um tempo em que as mais apetecíveis eram as mulheres cheias de carne e curvas.

3.
Nas ilhas Marquesas e na Nigéria, era comum as adolescentes permanecerem vários meses em “cabanas de engorda” para ganharem peso antes de serem oferecidas em casamento.

4.
Entre os Nilotes, povo espalhado pelo leste de África, os dentes contam como factor de atracção, arrancando-se dois incisivos aos jovens quando atingem a puberdade, para os tornar mais bonitos.

5.
Os homens da tribo Caramoja, do Uganda, costumam utilizar técnicas de tracção mecânica – e manter pesos atados – para alongar o pénis.

6.
Na China, às mulheres de classes superiores eram fracturados os ossos dos pés seguindo-se enfaixamento, para que estes permanecessem pequenos e assim agradar a maridos em perspectiva.

7.
Os Kwakiuti (EUA) ou os Magbetu (Congo) consideravam fundamental para a beleza um formato da cabeça bastante comprido verticalmente. Para isso, enfaixavam ou pressionavam com talas de madeira a cabeça das suas crianças até estas entrarem na adolescência.

8.
O povo Banto do Botswana, os Tsuanas, considera a proeminência dos pequenos lábios vaginais extremamente atraente, sendo prática comum as jovens, a partir da puberdade, começarem a puxá-los ou recorrerem a outras técnicas para conseguir o efeito desejado.

9.
A igreja católica valoriza a procriação, único objectivo da vida sexual, incentivando a virgindade e a monogamia sujeita ao casamento.

10.
As viúvas da tribo Ashanti, do Gana, são encorajadas a manter relações sexuais com um desconhecido, de modo a conseguirem libertar-se do espírito do falecido marido.

11.
Entre os Sakalaves, de Madagáscar, é uma desonra a mulher chegar virgem ao casamento.

12.
Uma mulher que tenha tido um filho antes do casamento é altamente valorizada pelos Pucapucãs (Indonésia), pois a sua fertilidade está provada.

13.
No Brasil, os índios Tucanos tinham a tradição de romper o hímen das adolescentes através da introdução na vagina dos dedos de um ancião impotente.

14.
Excepto as consagradas aos deuses, para os incas, uma virgem era mercadoria de muito baixo valor.

15.
Os Manus da Nova Guiné não têm qualquer concepção cultural de amor, carinho ou afecto, considerando as relações sexuais um acto vergonhoso e humilhante que apenas visa a continuidade do grupo.

16.
Não há beijos, carícias, romance ou envolvimento emocional nas relações sexuais dos Lepchas, povo dos Himalaias, parta quem o acto se resume a uma necessidade como comer e beber.

17.
Em Kiriwina (Pacífico), entende-se que as raparigas solteiras a partir dos 6 anos (sie) devem dedicar-se quase todas as noites a práticas licenciosas. É irrelevante que tal suceda ou não; o que importa apenas é que, para o nativo de Kiriwina, as relações sexuais são uma ocorrência quase tão comum como comer, beber ou dormir.

18.
Em Trobriand (Pacífico), a liberdade sexual das raparigas solteiras é absoluta.
Começam a ter relações sexuais muito cedo, entre os 6 e os 8 anos de idade. Mudam de parceiros sempre que lhes apetece, até se sentirem inclinadas a casar.

Depois, se uma rapariga se decide a uma ligação prolongada e mais ou menos exclusiva com um homem, após algum tempo, ele vem normalmente a tornar-se seu marido. Os filhos ilegítimos não são de modo algum raros.

19.
Na Papua Nova Guiné, há uma tribo, a que o antropólogo Jared Diamond chamou "povo Sambia", e em que todos os critérios sobre a orientação sexual que prevalecem no Ocidente caem por terra.

0 mais apelativo nos Sambia é a sua relação com o sexo. Existe uma divisão tão férrea entre os dois géneros que, na realidade, se trata de uma hostilidade aberta.

Os homens são caçadores e guerreiros e as mulheres encarregam‑se da agricultura e da manutenção dos filhos. Dentro da casa, há divisões separadas para o marido e para a mulher, e os filhos e as filhas não partilham o mesmo espaço.

As brincadeiras infantis depois dos cinco anos são sexualmente segregadas: os meninos não podem sequer olhar para as meninas.

Aos sete anos, os rapazes mudam‑se para comunidades única e exclusivamente masculinas onde se pratica a homossexualidade.

Os recém‑chegados devem praticar felações e ingerir o sémen dos mais velhos para adquirir todo o poder da sua masculinidade.

Chegada a fase sexual adulta, um jovem pode procurar par feminino. As relações sexuais com este são traumáticas. Acostumados ao sexo entre homens, os Sambia vêem a heterossexual idade como uma carga penosa que têm de assumir se querem ter descendência.

20.
Em alguns povos da Amazónia os homens usam os chamados cintos prepuciais com os quais atam o sexo à cintura.

Os nobres da época Vitoriana usavam uma cinta de seda que passavam por uma anilha com a qual tinham previamente perfurado o prepúcio.

#00.100 Sexo e Educação II – questionar a tradição

A distinção entre sexo fraco e sexo forte pode ter os dias contados.

Pelo menos, foi essa a intenção de Natalie Angier, uma investigadora americana que resolveu pôr a nu alguns dos mitos relacionados com as diferenças entre homem e mulher. Baseada em pesquisas científicas rigorosas, reuniu as suas conclusões no livro Mulher: uma geografia íntima.
Afirma que as mulheres são mais fortes, mais sensuais e que têm mais facilidade de adaptação.

Uma coisa, ninguém pode pôr em causa: existem diferenças.
O cérebro da mulher é mais pequeno, mas mais densamente preenchido por neurónios. Os homens sentem mais a dor física; as mulheres têm mais zonas do cérebro dedicadas à tristeza. O cromossoma X (feminino) tem uma riqueza genética superior ao Y (masculino): cinco mil genes, em média, em comparação aos 40 do homem.

O homem é fisicamente mais imponente: dez por cento mais alto, 20 por cento mais pesado e 30 por cento mais forte.

As mulheres, porém, são mais resistentes ao cansaço.
Até mesmo o órgão genital tem mais diferenças que aquelas consideradas óbvias. O clítoris tem oito mil nervos. O pénis menos de metade.

Outro dos conceitos que Natalie Angier derruba é o de que as mulheres são menos interessadas em sexo que os homens.

Segundo a autora, o corpo da mulher também foi feito para o prazer e elas até já ultrapassaram o conceito de uniões monogâmicas. Pesquisas científicas sobre o comportamento animal provaram que a mulher nasceu para ter prazer no acto sexual e que a sua vocação para a monogamia não passa de uma imposição cultural.

#00.101 Sexo e Educação I - auto conhecimento

(...)

Para a psicóloga Mónica Bolas Teixeira, é tudo uma questão cultural.
"Os homens são, desde pequenos, estimulados para a sexualidade.
As mulheres são oprimidas", explica. A maioria das mulheres desconhece o próprio corpo até muito tarde, pois tem uma educação sexual reprimida que não permite uma exploração da zona genital.

"Se lhes pedirmos para desenhar uma vagina, a maioria não sabe. É algo que não se vê e é preciso tocar para sentir - coisa que o processo de educação não permite", explica Allen Gomes.

A mulher é ensinada a fechar as pernas e a não tocar no sexo.
É educada de forma a reprimir todos os instintos. Tal não acontece com os homens.

#00.099 Sexo e Educação III – não complicar, s.f.f.

O biólogo Tim Birkhead, da Universidade de Sheffiled, em Inglaterra, lançou o livro Promiscuidade, no qual analisa o comportamento de vários animais. As conclusões foram surpreendentes: as fêmeas da maioria das espécies do gafanhoto ao chimpanzé - acasalam com vários machos.

Entre os bonobos (espécie de chimpanzés), mais de metade das crias de uma mãe é composta por filhos que não foram concebidos pelo seu parceiro habitual.

Mais diferença menos diferença, o importante é que a sexualidade seja encarada de forma natural. Sem receios ou preconceitos que a inibam.

Explorar o corpo, saber quais as zonas de maior prazer ou estimular o parceiro, qualquer das hipóteses é viável desde que seja para tirar o máximo partido da situação. O importante é deixar de fingir.
E começar a sentir.

#00.098 Sexo e Educação IV – o órgão do prazer



Foi só em 1998 que a investigadora australiana Helen O'Connell descobriu o verdadeiro tamanho do órgão do prazer feminino.
Em vez de dois, o seu tamanho chega até aos nove centímetros.

--

Meu comentário:
O que me faz lembrar, há uns bons anitos atrás, estava eu a explorar um livro sobre o corpo humano e chegado à parte da sexualidade pude encontrar várias fotos e desenhos esquemáticos sobre o pénis.

Mas, pasme-se, nada sobre a vagina. Fotos dos vários formatos do clítoris e dos lábios vaginais em detalhe?

Ah! Ah! Ah! Não querias mais nada. Contenta-te com uns bonecos e já gozas…

Se os “profissionais” abordam a questão assim, será de espantar que os leigos saibam tão pouco?

#00.097 Sexo e Educação V – patriarcado e autoridade

A personalidade do homem moderno, que reproduz uma cultura autoritária e patriarcal de seis milénios, é tipificada por uma armadura caracteriológica contrária à sua natureza interior e insensível à miséria social que o rodeia.

Desde que apareceu o patriarcado, o prazer natural do trabalho e da actividade foi substituído pelo dever obrigatório.

A formação de massas que sejam cegamente obedientes à autoridade não é consequência do amor filial natural, mas da família autoritária. O recalcamento da sexualidade em crianças e adolescentes é o mais importante meio de obter aquela obediência.


--

A família e a moralidade já estão sabotadas pela própria família e pela própria moralidade compulsiva.

--

Sentimentos como o de auto-afirmação, inferioridade, desejo de poder; não suportam ser contemplados à luz da consciência.

--

"A Função do orgasmo"
Wilhelm Reich
Publicações Dom Quixote, 1979
(2ª edição original publicada em 1947)

#00.096 Matriarcado

Homens seminais e amores promíscuos

Cai Hua, que viveu muitos anos entre os Nas nos socalcos do Himalaia e é autor do livro Uma Sociedade Sem Pais Nem Maridos, afirma que a vida sexual é muito satisfatória no seio de uma sociedade matrilineal efectiva: “A sua sexualidade não é uma mercadoria, mas sim algo de inteiramente sentimental e amoroso, que não implica repressões morais.”

A sexualidade dos Nas nasce do simples consentimento mútuo, e iniciam ou terminam estas relações promíscuas quando lhes apetece. Mantém-se o costume rural das visitas nocturnas secretas e, após o culminar da união, o homem seminal regressa ao lar materno, onde habitualmente vive.
Tanto os homens como as mulheres são completamente livres de escolherem os seus múltiplos pares, embora as preferências eróticas vão geralmente para os primos.

Cuidado! Nunca se deve falar de assuntos sexuais, a menos que seja um gracejo bastante subtil. Os pouco beneficiados fisicamente, os deficientes e os já idosos não têm muitas oportunidades de viver um romance, e ainda menos de se preocuparem com a elevada incidência de doenças venéreas.

--

Talvez os Mosuos, outro subgrupo dos Naxi, estabelecidos perto do lago Lugu, na fronteira com a província de Sichuan, tenham preservado melhor a tradição do acasalamento. Na sua axia (palavra que significa "grupo de amigos”), não há espaço para o matrimónio.
Os cônjuges não são designados por marido e mulher, mas sim por amigos.

Uma rapariga em idade núbil conta com um quarto especial, também chamado "axia", onde um companheiro escolhido pela família pode passar as noites com ela. De manhã, regressa ao lar materno, enquanto a jovem fica na sua própria casa. Se a dama que recebe não se sentir satisfeita com o par, fecha simplesmente a porta da axia e termina, assim, a relação amorosa. Se nascer um bebé, o casal não forma uma nova família, pois o filho é criado no seio da família materna.

--

Os filhos são criados com as famílias maternas

Em geral, os filhos dos naxi não conhecem os seus pais biológicos, pois poderá ser qualquer dos amantes com quem a mãe manteve relações sexuais.

Uma das tias maternas será encarregada de desempenhar o papel masculino paterno junto dos filhos que convivem no grupo familiar. Embora todos os filhos sejam sempre criados com as famílias das mães, e delas recebam o nome e apelidos, apenas as filhas herdam os bens.

As mulheres naxi detêm todos os atributos dominantes como chefes de família. Cedem as tarefas mais leves e fáceis, como a música, aos homens, e reservam para si próprias o trabalho árduo e importante, como o cultivo dos campos ou as vendas dos produtos no mercado, assim como os deveres da maternidade.